Sexo, bares, mulheres... e redes sociais

Qual a ligação entre sexo, bares mulheres e… redes sociais e negócios? Não saia do seu lugar e leia este post até ao fim :-)

Uma história que costumo contar muitas vezes quando o tema é estratégia sobre o relacionamento com os seus clientes e fãs /seguidores na internet e redes sociais é sobre sexo, bares e mulheres (isto numa perspetiva de homem heterossexual, se bem que também funcionará para outras orientações sexuais, digo eu…).

Vamos imaginar um bar completamente cheio de mulheres (lindas e irresistíveis torna a coisa melhor):

  • algumas estão lá apenas para se divertir com as amigas,
  • outras querem conhecer pessoas e homens interessantes (quiçá “o futuro amor de sua vida”),
  • outras não sendo esse o objetivo, até podem acabar a noite num caso louco de sexo escaldante com um desconhecido
  • e uma pequeníssima percentagem ainda, estará mesmo à procura de alguém para uma noite de sexo ardente!

Chega lá o António (foi o primeiro nome que me lembrei para a nossa personagem), e quer ter sexo com alguma daquelas mulheres apesar de não conhecer nenhuma delas… O que ele faz? Toc, toc (isto é o António a bater no ombro da primeira mulher que encontra):

“Do you want to have sex with me?”, ou outra qualquer frase do género, não é esse o foco aqui :-)

O que acham que acontece? Pode ser corrido, levar uns estalos pelo meio e a probabilidade de ser bem sucedido no seu objetivo é ínfima (vá, se for o Brad Pitt ou George Clooney, esta probabilidade aumentará ligeiramente…). E ainda tem o problema que as outras mulheres, ao verem o António a levar uns tabefes, quando ele se aproximar vão fugir…

Mas até poderá ter alguma sorte e no grupo que está à procura do mesmo que ele (ter sexo naquela noite) e com o avançar da hora conseguir algum “Yes, let’s go!”.

E se o António tivesse outra abordagem?

Chega o António ao nosso bar repleto de mulheres lindíssimas e com o seu tímido, descomprometido, mas cativante olhar começa a observar e estabelecer algum “eye contact” com algumas delas certamente vai ser correspondido em alguns casos…

Até pode fazer o Toc, Toc mas desta vez apenas para dizer que o lenço da menina tinha caído ao chão, talvez ela até agradeça e inicie uma conversa, talvez até ache piada ao António e o apresente ao seu grupo de amigas, daí até o António estar a beber um copo com elas é um pequeno passo (não, isto não é sobre encontros em bares, já vamos ver onde nos leva…).

Depois de ajudar com o lenço, muita conversa, divertimento, dança e algumas bebidas mais tarde, qual será a probabilidade de o António conseguir o seu objetivo? Muito maior, claro! Principalmente naquele grupo de mulheres que está com o mesmo interesse que ele. E até pode nem ser naquele dia, mas num segundo ou terceiro encontro…

Daqui para o relacionamento com os clientes é um pulinho :-)

 

Cada empresa (o António) no seu mercado (bar) tem um determinado grupos de potenciais clientes/leads (as mulheres) que se podem dividir em alguns grupos (tal como as mulhers no bar):

  • aquelas leads que não tem interesse no produto (a determinada altura);
  • aquelas leads que estão dispostas a novos produtos;
  • as leads que querem o produto, mas ainda não decidiram
  • e por último, as leads que estão com extrema necessidade do seu produto ou similar. Aqui o objetivo da empresa é vender o produto ou serviço.

O que tipicamente acontece é as empresas terem a abordagem do tipo que o António teve: “Compre, Compre, Compre!”

A empresa, tal como o António, até pode ter sorte e conseguir no pequeno grupo que está altamente necessitado do produto ou serviço fazer algumas vendas, mas com esta abordagem perante um concorrente que “aqueceu” a lead (gosto da analogia do aqueceu), que já não é desconhecida para o potencial cliente, e que já acrescentou valor previamente de quem comprará? Do seu concorrente…

É fundamental criarmos relacionamento com os nossos potenciais clientes, acrescentar valor para quando chegar a altura, ele comprar de nós e não do nosso concorrente que, concerteza, tem a abordagem que o António teve.

Se olharmos para as redes sociais e para os casos do Pinterest e Instagram, temos duas plataformas onde, claramente, podemos relacionar, criar valor e sobressair perante os nossos potenciais clientes.

E você pede para “ter sexo” com os seus potenciais clientes logo da primeira vez? Conhece alguns exemplos assim? E casos de boas práticas? Conte-me nos comentários as suas histórias…

 

Se achou útil este artigo faça-me um favor e partilhe com 3 amigos a quem acha que pode interessar, ajuda-me a passar a mensagem e ajuda-os a eles também com informação válida, ganhamos todos 😉